AM: "A esquerda precisa enfrentar e não se intimidar", afirma João Pedro

AM: “A esquerda precisa enfrentar e não se intimidar”, afirma João Pedro

Por Rosiene Carvalho

Primeiro nome da esquerda a se lançar como pré-candidato ao Governo do Amazonas, o ex-senador João Pedro (PT) defende que o debate sobre pré-candidaturas é necessário para encorajar o fortalecimento de um palanque no estado. Ele afirma que a esquerda precisa enfrentar e não se intimidar no estado.

(Foto: Reprodução/Arquivo)

“A gente precisa entender a importância política, ideológica, programática de juntar a esquerda no Brasil e no Amazonas. É hora de colocarmos essa unidade para fazer uma disputa para valer. Espero que o debate das pré-candidaturas possa fortalecer o debate sobre este palanque”, declarou João Pedro em entrevista ao EXCLUSIVA da rádio BandNews Difusora, na manhã desta segunda-feira, dia 21.

Confira entrevista completa desta segunda-feira (21), no jornal BandNews Manaus.


A última disputa que entrou, por uma das 41 vagas de vereadores de Manaus, rendeu ao ex-senador 1.922 votos. Não foi eleito.


Dentro das instâncias internas do partido também é necessário voto para se confirmar candidato. E nem sempre o que decide a maioria garante o nome na urna. A corrente de João Pedro no Amazonas não é a com maior número de delegados. Ainda assim, até este momento, o nome dele é o único da esquerda para o palanque de Lula, líder em pesquisas nacionais em meio a uma disputa estadual formada por pré-candidatos com altos índices de rejeição.
A recolocação, caso não se confirme como candidatura ao governo, pode dar visibilidade a João Pedro na corrida por uma vaga na ALE-AM (Assembleia Legislativa do Amazonas).

A recolocação, caso não se confirme como candidatura ao governo, pode dar visibilidade a João Pedro na corrida por uma vaga na ALE-AM (Assembleia Legislativa do Amazonas). O ex-senador nega que tenha interesse em outro cargo nas Eleições de 2022: “Sou somente, pré-candidato ao governo, não disputarei cargo proporcional, quero debater, travar o debate sobre propostas de um governo q leve principalmente a potencialidade florestal do Estado”.


Na entrevista, o ex-senador avalia os nomes dos principais candidatos na disputa ao Governo e Senado, ironiza os pré-candidatos novos, assume discurso de defesa de legado de Lula e defende união da esquerda.


“Pela conjuntura política do Brasil, esses partidos vão se unir (…) A esquerda precisa dessa atitude: de enfrentar e não se intimidar”, declarou.


Veja trechos de declarações de João Pedro sobre pré-candidatos em 2022:


Alfredo Nascimento: “Retrocedeu politicamente”
Bolsonaro: “Fora”
Lula: “Uma saída. Uma liderança nacional e internacional”
Wilson Lima: “Pouco fez e está devendo”
Eduardo Braga: “Foi um aliado importante. Hoje, se afasta de um projeto que sabe que o presidente Lula faz e fez pelo Amazonas”
Amazonino: “Tem que respeitar pelo que fez. Mas é defensor de um projeto político que conhecemos por isso é importante o palanque da esquerda, porque é inovador”
Ricardo Nicolau: “Político novo”
Carol Braz: “Quem? Sinceramente, politicamente, não conheço nada dessa senhora”
Arthur Virgílio: “É um político que fez, mas ficou devendo. Foi, em alguns momentos, até desleal com o ex-presidente Lula”
Omar Aziz: “É uma liderança do PSD que está nesta relação de aliados que possam ajudar num Governo do presidente Lula”
Coronel Menezes: “Vem na agenda de militarizar o Brasil. Não conhece o AM. Não é da política. Não sabe dançar o boi”