Reeducandos participarão de reforma da Vila Olímpica

Vila Olímpica e estádios da capital serão reformados por reeducandos do sistema prisional

Três espaços esportivos da capital devem ser reformados com mão de obra dos reeducandos do sistema prisional.

A ação faz parte dos objetivos do programa Trabalho a Liberdade, ligado à Secretaria de Estado de Administração Penitenciária (Seap).

Firmado nessa terça-feira (24), o acordo de cooperação técnica contempla a reforma do prédio da emissora de TV Encontro das Águas, reparos da Vila Olímpica de Manaus e nos estádios Ismael Benigno e Carlos Zamith.

De acordo com o titular da Seap, coronel Vinícius Almeida, os reeducandos fazem parte dos regimes aberto e semiaberto e atuarão em atividades como pintura, alvenaria, além de manutenções nas redes elétrica e hidráulica das praças esportivas. O coronel Vinicius explica que ao entregar um trabalho de qualidade, os detentos conseguem sair do mecanismo do crime, em que a pessoa era presa e depois cooptada a entrar novamente na ‘vida do crime’.

O acordo de cooperação no valor de R$ 1,6 milhão entre a Seap e a Fundação Amazonas de Alto Rendimento (Faar) gerará uma economia superior a R$ 10 milhões aos cofres públicos:

O diretor-presidente da Faar, Jorge Elias, fala que a expectativa é que os trabalhos nos três locais sejam finalizados até dezembro deste ano: “Gostaríamos de ampliar para a Arena Amadeu Teixeira, para o Rene Monteiro e partes setoriais da Arena da Amazônia. É uma mão de obra qualificada, eles tem treinamento e depois vêm praticar”, disse.

Cerca de 1.200 reeducandos do sistema prisional já fazem parte do programa que garante a redução de pena por meio do trabalho ou estudo

Reportagem: Ricardo Chaves
Foto: Seap/AM