Um ano do caos da asfixia: A crise de oxigênio no Amazonas | Capítulo III

Um ano do caos da asfixia: A crise de oxigênio no Amazonas | Capítulo III

A segunda onda da pandemia do coronavírus no Amazonas com a explosão de casos em janeiro de 2021 deixou memórias que dificilmente serão esquecidas. Foram dias que, sem dúvidas, impactaram o mundo inteiro e, principalmente, aqueles que presenciaram os momentos de horror.

Um ano do caos da asfixia: A crise de oxigênio no Amazonas | Capítulo III
Foto: Reprodução/Flickr

Pacientes que estiveram internados na rede pública e privada. Outros que precisaram ser transferidos para outros estados do país. Pessoas que, em meio ao desespero, se desdobraram para encontrar cilindros de oxigênio para familiares e amigos. Profissionais de saúde que viram centenas de pacientes perderem a vida em decorrência do vírus.

Os plantões exaustivos que pareciam não ter fim e os dias sem ver os pais e o filho, de apenas 7 anos, são algumas das lembranças que a dentista intensivista Islla Costa carrega.

A profissional atuou incansavelmente na linha de frente da pandemia em janeiro do ano passado e relembra os momentos difíceis pelos quais passou. (ouça)

Quem sobreviveu ao cenário caótico hoje comemora a chance de estar vivo. É o caso da professora Isis Tavares. Apesar das sequelas deixadas pela doença, tanto físicas como emocionais, ela agradece por ter sobrevivido. (ouça)

À época do colapso no sistema de saúde, com o aumento de internações e a falta de oxigênio, mais de 500 pacientes foram enviados a outros estados do país para desafogar o sistema de saúde do Amazonas. O administrador Pedro Flávio Couto foi levado para Santa Maria, no Rio Grande do Sul, junto com outras 14 pessoas. (ouça)

Na ausência do poder público, pessoas, ONGs, movimentos e grupos solidários se uniram em prol de uma única causa: salvar vidas! O militar e professor de educação física, Rodrigo Ramos, foi um dos que se voluntariaram para ajudar no reabastecimento de cilindros de oxigênio na capital.

Rodrigo afirma que as cenas ficaram marcadas na memória. (ouça)

Um ano após a pior crise na saúde, o Amazonas vive uma explosão de casos e internações pelo coronavírus, além da confirmação de casos da variante Ômicron e o surto de Influenza A influenciados pelo período chuvoso.

Apesar disso, o estado não registra aumento no número de óbitos, o que é atribuído por autoridades de saúde, à vacinação no estado, que hoje alcança cerca de 81% da população contemplada vacinada com as duas doses e mais de 71% com o esquema vacinal completo.

Essa série de reportagens teve a colaboração e revisão de Mauricio Max e Rafael Campos e sonorização de Juarez Sicsu e Ismael Moura.

Reportagem: Cindy Lopes

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email