Tanques de piscicultura em Manaus recebem ações para combate ao mosquito da malária

Tanques de piscicultura em Manaus recebem ações para combate ao mosquito da malária

Reportagem: Tawanne Costa

Os tanques de piscicultura, localizados no Ramal do Pau Rosa, na zona rural de Manaus, recebem aplicação de biolarvicidas para evitar a infestação do mosquito transmissor da malária. Em Manaus, mais de 1,3 mil tanques de piscicultura são alvo das ações de controle vetorial pela Secretaria Municipal de Saúde.

(Foto: Divulgação/Girlene Medeiros/FVS-RCP)

O biolarvicida é usado para controle do mosquito da malária em locais com acúmulo de água que possam funcionar como criadouros. Os tanques mantêm água parada, no inverno e no verão, e são criadouros para a transmissão da malária.

A pasta usa drones para auxiliar no controle, como explica o chefe do Departamento de Vigilância Ambiental (DVA) da FVS-RCP, Elder Figueira. (Ouça)

A aplicação do uso de biolarvicidas é realizada com intervalo de 21 dias nos criadouros. Segundo o coordenador do Núcleo de Entomologia e Controle Vetorial, Edvaldo Rocha, o drone reduz em 75% o tempo de aplicação do biolarvicida. (Ouça)

A Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas continua realizando o controle vetorial.