Mães se reinventam durante pandemia

Mulher ajuda mulher: redes solidárias de apoio ajudam mães em situação de vulnerabilidade no AM

Nos últimos dois anos, a pandemia tem afetado diretamente a vida dos brasileiros. Mas para as mulheres, principalmente aquelas que desempenham o papel de criar e educar uma nova vida – as mães- o momento de dificuldade serviu para que se reinventassem.

A história de Thais Araújo, mãe de um menino de 4 anos, é como a de várias mães e mulheres do Amazonas que tiveram a vida impactada pela pandemia. (ouça)

Neste ano, ela se juntou a 15 mulheres, que iniciaram uma rede de apoio para ajudar os mais vulneráveis (ouça)

As mulheres foram as que mais sofreram com a perda de emprego e renda. Na comparação dos trimestres de julho a setembro, de 2019 e 2020, o número de mulheres desempregadas aumentou 8,6 milhões. Os dados são do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), divulgado este ano.

No Amazonas, o desemprego passou de 17% para quase 20%.

Embora as amazonenses tenham aumentado de renda de um ano para outro, a diferença para os homens ainda é grande. R$1.742,00 para elas e R$1.975,00 para eles.

Mãe de uma menina de 7 anos, a autônoma Singrid Evelyn decidiu empreender para sustentar a família (ouça)

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), 71% das mulheres empreendedoras inovaram durante os dias de isolamento. (ouça)

Mas engana-se quem pensa que tudo foi fácil. O momento crítico evidenciou um problema antigo e cultural: a desigualdade de gênero e a sobrecarga das mulheres.

Segundo, Clarissa Oliveira, Consultora de Negócios, os obstáculos não param por aí. Ela dá dicas para mulheres que querem empreender. (ouça)

Um relatório divulgado pelo Banco Mundial em julho deste ano afirma que a crise econômica causada pela pandemia deve impactar negativamente os empregos e os salários no Brasil pelos próximos 9 anos.

Reportagem: Ricardo Chaves
Foto: Reprodução Internet