Polícia busca suspeitos de matar jovem indígena durante assalto a ônibus em Manaus

Após comoção e revolta causadas em Manaus pelo assassinato do jovem aprendiz da etnia Sateré-Mawé Melquisedeque Santos do Vale, de 20 anos, o governador do Amazonas, Wilson Lima, disse que determinou às forças de segurança empenho total na captura dos criminosos responsáveis pelo crime.

Melquisedeque dos Santos tinha 20 anos e foi morto durante assalto na zona norte (Foto: Reprodução)

Melquisedeque foi morto com um tiro na cabeça durante um assalto em um ônibus da linha 444, na noite dessa quinta-feira (16), na avenida Santos Drumond, no bairro Tarumã, na Zona Oeste. O jovem estava retornando para casa, após sair do trabalho, em uma loja de departamentos.O corpo dele foi velado na manhã desta sexta, sob pedidos por justiça.

De acordo com informações do motorista do ônibus coletivo, três homens armados anunciaram um assalto na avenida Torquato Tapajós, no momento em que o veículo seguia para o centro de cidade.

Os suspeitos ordenaram que ele desviasse o ônibus para a avenida que dá acesso ao Aeroporto Internacional de Manaus. Testemunhas informaram que o jovem não teria reagido ao assalto, mesmo assim acabou sendo baleado na cabeça durante a fuga dos bandidos. O aparelho celular da vítima não foi levado pelos bandidos.

O motorista dirigiu o ônibus até a porta do Aeroporto Internacional de Manaus, onde acionou as autoridades policiais.

A empresa Bemol, na qual o jovem fazia parte, diz por meio de nota que recebeu a notícia com profundo pesar do falecimento do colaborador Melquisedeque Santos do Vale.Aos familiares, amigos e sociedade manifestamos nossa profunda solidariedade neste momento de dor e consternação.