Período chuvoso aumenta frequência de caramujos transmissores de doenças em Manaus

Período chuvoso aumenta frequência de caramujos transmissores de doenças em Manaus

Reportagem: Gabrielle Moura

Ouvintes da BandNews Difusora FM relatam a presença de caramujos africanos em bairros da zona Norte de Manaus. Segundo eles, todos os dias os caramujos aparecem nas casas dos moradores no conjunto Boas Novas. Neste período chuvoso, esses animais ficam muito ativos.

(Foto: Robervaldo Rocha/Semcom)

O combate ao caramujo nessa época é importante, principalmente porque ele pode se tornar vetor de algumas doenças como a hepatite e a meningite. O caramujo não possui predador natural, por isso ele está relacionado entre as piores espécies exóticas invasoras de ocorrência mundial.

O ouvinte Edilson Lima diz que sempre joga sal quando o molusco aparece na casa dele. (Ouça)

Quanto a doenças transmitidas pelo caramujo, a Semsa diz não ter nenhuma notificação até o momento.

A carapaça do caramujo acaba servindo de criadouro para o Aedes aegypti, mosquito transmissor da dengue, Chikungunya, Zika e febre amarela urbana, segundo a Secretaria Municipal de Sustentabilidade e Meio Ambiente, Semmas.

O chefe da Divisão de Educação Ambiental do órgão, Raimundo Araújo, orienta a população como proceder ao ver o caramujo. (Ouça)

A população é orientada por órgãos municipais a manter limpos os quintais e as calçadas, já que a proliferação do caramujo africano ocorre em meio a resíduos.

A Divisão de Educação Ambiental da Semmas tem dois números de telefone para tirar dúvidas sobre a coleta correta dos caramujos: (92) 3236-7420 / 98137-9876.