Nicolau assina filiação e será o candidato do Solidariedade ao Governo do Amazonas

Por Rosiene Carvalho
@rosienecarvalhoam

O deputado estadual e pré-candidato ao Governo do Amazonas Ricardo Nicolau assinou sua filiação ao Solidariedade na manhã desta terça-feira, dia 26, em Brasília, para ser o candidato da sigla ao executivo estadual nas Eleições 2022. No ano passado, Nicolau concorreu à Prefeitura de Manaus e ficou em 4° lugar com 118.289 votos, o equivalente a 12,29% dos votos válidos.

Ricardo Nicolau assina filiação ao Solidariedade e mira eleição para Governo do Amazonas (Foto: Divulgação)

“Eu acho que é preciso ter uma alternativa viável e que traga um projeto de desenvolvimento para o Amazonas. As candidaturas ao Governo do Estado, desde a época do Gilberto (Mestrinho), foram candidaturas montadas pelo mesmo grupo. O destino do Amazonas sempre foi traçado em quatro paredes no Tarumã. A gente precisa romper isso. Inclusive a do (governador) Wilson foi incentivada pelo Amazonino numa estratégia que não deu certo”, declarou.

A filiação ocorreu na presença do presidente nacional do Solidariedade, Paulinho da Força, e do presidente estadual do partido e deputado federal Bosco Saraiva. Também estavam presentes o vice-presidente nacional, Jefferson Coriteac, e o irmão de Nicolau e ex-vereador de Manaus Hiram Nicolau, que também se filiou ao partido.

Nicolau disse que as candidaturas postas ao governo são de pessoas que já tiveram oportunidades de mostrar a capacidade administrativa.

“Eles já tiveram oportunidade em fazer. A população já conhece bem como é a administração de cada um deles. Quero apresentar uma alternativa diferente. Uma alternativa que venha trazer resultados positivos para o Amazonas”, disse o deputado.

O pré-candidato afirmou que o Solidariedade dará a ele uma boa condição de disputa e que irá compor com outros partidos para formar uma grande coligação. Para ser competitivo, Nicolau precisa de tempo de TV e recursos do fundo partidário ou doações, como ocorreu na campanha de 2020.

“Vamos tentar formar uma coligação grande no Amazonas. Vamos buscar formatar uma coligação ampla de oposição”, declarou Nicolau ao blog.

O pré-candidato, que era fundador e filiado ao PSD de Omar Aziz até dois meses atrás, também foi sondado pelo PDT para formar no Amazonas o palanque de Ciro Gomes. No PSD, Omar já havia decidido que não haveria candidatura ao governo e a prioridade é a reeleição dele ao Senado.

“Eu sou agradecido ao PDT por ter acreditado no nosso projeto desde a candidatura passada. Vamos trabalhar para que o PDT esteja ao nosso lado”, disse.

De acordo com material divulgado pela assessoria de comunicação de Nicolau, o presidente da sigla garantiu a ela apoio para torná-lo o próximo governador do Estado do Amazonas. “O Solidariedade agora tem candidato ao governo do Amazonas. O Ricardo tem um grande trabalho, uma experiência muito grande e tenho certeza de que será o próximo governador. Vamos fazer o esforço máximo para você assumir o Amazonas e fazer o governo que interessa à população daquele estado, que precisa do seu trabalho”, afirmou Paulinho da Força.

Indiciamento do governador e aumento para servidores

Nicolau assina a filiação ao Solidariedade para concorrer ao Governo do Amazonas no mesmo dia em que o governador Wilson Lima é indiciado como responsável pela morte por asfixia de pacientes internados em hospitais que enfrentaram o colapso da falta de oxigênio no início do ano. Para o deputado, a conclusão pela responsabilidade do governador no episódio por parte da CPI era inevitável.

“O indiciamento dele na CPI é fruto do péssimo serviço prestado”, declara Nicolau sobre crimes atribuídos a Wilson Lima,

Nesta mesma terça-feira, Wilson Lima tenta causar estrondo maior que o indiciamento anunciando pagamento de datas-bases e outros benefícios a servidores públicos estaduais, congelados desde o início do governo dele. Portanto, antes da pandemia.

Nicolau disse ser favorável a todo benefício concedido aos servidores públicos e que o Amazonas tem condições de garantir a eles estes direitos. No entanto, disse que falta ao governo atenção com a responsabilidade fiscal.

“Sou a favor. É fundamental valorizar o servidor. O governador está fazendo ações do governo com interesses puramente eleitoral. E o Amazonas já ultrapassa o limite da Lei de Reponsabilidade Fiscal. Já ultrapassou de novo. O limite máximo é 49% e está em 50%. A Lei de Responsabilidade Fiscal é mais rígida no último ano de mandato. Mais ainda nos 180 dias últimos de mandato”.

E acrescentou: “Ele (Wilson Lima) tem feito várias ações que não estão na Lei de Diretrizes Orçamentárias e não estão no orçamento passado. Não são programas continuados”, disse Nicolau que é presidente da Comissão de Assuntos Econômicos na ALE-AM (Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas).

O deputado e pré-candidato afirma que o equilíbrio vem do corte de despesas desnecessárias para que o que é prioridade e importante recebe a melhor atenção do orçamento.

Outro lado

O governador do Amazonas postou nas redes sociais uma nota sobre o indiciamento dele e disse que a inclusão do nome dele no relatório final é ação com motivação eleitoral liderada pelo senador Eduardo Braga. “Não fui sequer investigado pela CPI”, alega Wilson Lima.

Leia nota na íntegra:

“A inclusão do meu nome no relatório final da CPI tem total motivação político-eleitoral, liderada pelo senador Eduardo Braga, visando as eleições de 2022. Não fui sequer investigado pela CPI. Vou seguir trabalhando e fazendo o que nenhum político que esteve à frente do Estado foi capaz de fazer em tão pouco tempo pelo desenvolvimento do Amazonas”, governador Wilson Lima.