Meses após 1º decreto que ameaça a ZFM, parte dos trabalhadores do distrito desconhece o cenário

Meses após 1º decreto que ameaça a ZFM, parte dos trabalhadores do distrito desconhece o cenário

Reportagem: Clara Toledo

Amplamente noticiado e discutido por políticos e representantes de entidades de classe amazonenses, os decretos que reduziram o Imposto sobre Produto Industrializado no restante do Brasil colocaram em cheque a competitividade da Zona Franca de Manaus.

Segundo especialistas, a medida colocou em risco o modelo que emprega ao menos 100 mil trabalhadores contratados pelas 450 indústrias da Zona Franca e 500 mil empregos indiretos.

Passaram-se quatro meses do primeiro decreto que afetou a Zona Franca. No momento, as medidas do Ministério da Economia foram suspensas por decisão do Supremo Tribunal Federal. Em 6 de maio, o ministro Alexandre de Moraes derrubou parcialmente os decretos que reduziam as alíquotas dos impostos.

(Foto: Reprodução)

Apesar de toda essa movimentação, muitos operários do Distrito não sabem bem os riscos que os próprios empregos correm.

Um deles é o operador de produção Roni Castro. Ele tem 25 anos e trabalha há quase dois anos no distrito. Ficou desempregado durante a pandemia e acabou encontrando oportunidade em uma fábrica do Polo Industrial de Manaus. O industriário, que chega a trabalhar num turno de 10 horas conta à reportagem que ele e seus colegas não tinham conhecimento sobre o cenário que pode afetá-los. (Ouça)

Lucas Medeiros trabalha em uma fábrica que produz peças para computadores e conta que há sim tensão entre os funcionários que tem conhecimento do atual cenário. Porém, reforça que existe um grau de alienação entre trabalhadores de fábricas vizinhas. Lucas explica que, por causa da rotina exaustiva, quem trabalha nos turnos da noite e madrugada tem dificuldades de acompanhar o que acontece nas notícias. (Ouça)

E a preocupação não está presente apenas no chão de fábrica. O CEO da empresa I-Sheng Brasil, fabricante de eletrônicos, Renato Montalbo reforça o discurso de que a Zona Franca está em risco. (Ouça)

Há quem defenda que os efeitos serão de médio a longo prazo. É o que fala o Antonio Marcos, diretor da I-Sheng Brasil. (Ouça)

Mesmo com a suspensão dos efeitos dos decretos que ferem a Zona Franca por parte do STF, o Governo Federal não recuou e a Advocacia Geral da União pediu a derrubada da liminar concedida por Alexandre de Moraes.