Manaus completa 352 anos neste domingo (24) com esperança nas retomadas econômica e cultural

Reportagem: Cindy Lopes

Manaus é uma metrópole de rocha e aço no meio da floresta amazônica. A capital do Amazonas encanta pelas belezas naturais, histórias e riquezas. O ditado diz que quem conhece não esquece e quem já mora aqui, não quer sair. A cidade que começou a partir da Fortaleza do Rio Negro, em 1669, comemora neste domingo (24) 352 anos de história. A capital amazonense exibe exemplares arquitetônicos no estilo europeu do período áureo da borracha, também chamado de belle époque, motivo que fez Manaus ficar conhecida como a “Paris dos Trópicos”. Nas palavras do colunista de cotidiano da BandNews Difusora FM, Orlando Câmara: uma cidade que encanta: (Ouça)

Manaus faz aniversário em momento de retomada. (Foto: Michael Dantas/Secom)

Um dos monumentos do apogeu da borracha é o majestoso Teatro Amazonas, o principal símbolo cultural e arquitetônico da cidade. O historiador Gaitano Antonaccio afirma que a inauguração do teatro, no meio da selva amazônica, foi um dos momentos mais marcantes para a cidade. Um lugar que surpreende e encanta desde 1896: (Ouça)

Com mais de 2 milhões e 200 mil habitantes, Manaus concentra mais da metade da população do estado, é a cidade mais populosa da Região Norte e tem a sétima maior população do país. Um povo caloroso e acolhedor. Aquele jeitinho que só o manauara tem. O taxista Cristóvão Carvalho reflete bem o carisma do povo de Manaus e fez até um poema para o aniversário da capital: (Ouça)

A cidade encanta quem vem de municípios do interior, de outros estados do Brasil e até os visitantes de fora do país. A estadunidense Rebecca Foster veio para Manaus em 2019 e, por causa da pandemia, acabou ficando UM ano e oito meses, tempo suficiente para ela se apaixonar pela capital, tanto que, em novembro, a norte-americana retorna à cidade. (Ouça)

Uma das grandes atrações de Manaus é a gastronomia. Quem nunca visitou a cidade e experimentou o famoso x-caboquinho preparado com pão francês, queijo coalho, banana pacovã e tucumã? O sanduiche virou até patrimônio cultural e imaterial da região. Isso sem falar do tambaqui, jaraqui, tacacá, farinha do uarini, o açaí… O chef de cozinha Cláudio Procópio, que também é colunista de gastronomia da BandNews Difusora FM, é carioca, mas vive em Manaus há 15 anos. Procópio é mais um apaixonado pela culinária local: (Ouça)

Desde os lugares, o povo, até a gastronomia, Manaus é única e tem um vocabulário peculiar. Por aqui, o português ganha umas alterações que até confundem quem vem de fora: o famoso “amazonês”. São 352 anos de história e como diz a música Toada de Manaus do Raízes Caboclas, “toda cidade se habita, como lugar de viver, só Manaus é diferente nessa maneira de ser, pois invés de morar nela, é ela que mora na gente”.