Manaus, cidade flutuante: duas realidades diferentes da cidade que flutuava ao redor da capital

Manaus, cidade flutuante: duas realidades diferentes da cidade que flutuava ao redor da capital

A retirada dos flutuantes das orlas do Rio Negro e Tarumã-Açu remonta uma realidade vivida pela capital amazonense na década de 20. Os paralelos partem das semelhanças com a época da cidade flutuante. O cenário adverso vivido nos anos 20, associado ao crescente aumento populacional, fez crescer a necessidade de moradias e levou ao nascimento da cidade flutuante. Hoje, a crise econômica – intensificada pela pandemia – faz com que as pessoas busquem formas alternativas de empreendimentos e, novamente, as margens do rio foram resposta. Apesar de diferenças histórico-econômicas claras, a semelhança se faz.

O colunista da BandNews Difusora Marcelo Seráfico ressalta que a presença desses flutuantes e habitações que foram retirados da orla geram uma série de dificuldades relacionadas à questões sanitárias, de segurança pública e de transporte. O que está em causa nessa situação é uso e a finalidade dos nossos recursos hídricos. Confira:

Foto: Reprodução/IDD