Ipaam apura invasão de balsas de garimpo perto de Altazes e alerta que prática na região é ilegal

Ipaam apura invasão de balsas de garimpo perto de Autazes e alerta que prática na região é ilegal

O Instituto de Proteção Ambiental do Amazonas, o Ipaam, confirmou que tomou conhecimento de denúncias sobre a invasão de balsas de garimpo em uma região entre as cidades de Autazes e Nova Olinda do Norte, no interior do Estado. O instituto afirma que será feito um diagnóstico para apurar a real situação no local e reforçou que as atividades de exploração mineral naquela região não estão licenciadas.

A apuração ocorre em trecho próximo à Comunidade Rosarinho, em Autazes. (Foto: Divulgação/Prefeitura de Autazes)

Após a divulgação de imagens de uma invasão de dragas de garimpeiros no Rio Madeira, próximo a Comunidade Rosarinho, a prefeitura de Autazes acionou o Governo do Amazonas para impedir a invasão e demais males na região.

Segundo a denúncia, o Rio Madeira, em uma área não tão distante de Manaus, foi invadido por centenas de balsas do garimpo ilegal. As embarcações estariam descendo o rio atrás de ouro há pelo menos duas semanas e, na última terça-feira (23), chegaram a Autazes, a penúltima cidade antes da foz do rio – que deságua no rio Amazonas.

Registros mais antigos mostram que a exploração ilegal acontece no Alto Madeira, principalmente na região perto do estado de Rondônia, que, em janeiro deste, ano autorizou e regulamentou os garimpos no seu território e revogou um decreto que proibia extração de minério no rio Madeira, no trecho da divisa com o Amazonas, onde a prática continua sendo ilegal.

Desde então, houve uma explosão da atividade nesta parte mais ao sul do território amazonense. Mas, a invasão de garimpeiros em grande escala na região entre Autazes e Nova Olinda pegou todos de surpresa. Moradores relataram medo, pois, além da poluição do rio, os garimpeiros andam armados.

Da redação

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email