Especialistas avaliam cenário do desmatamento e criticam política ambiental na Amazônia

Especialistas avaliam cenário do desmatamento e criticam política ambiental na Amazônia

O desmatamento na Amazônia Legal vem apresentando altos índices e a situação preocupa especialistas.

Segundo dados do Projeto de Monitoramento do Desmatamento na Amazônia Legal por Satélite, o Prodes, a área de floresta derrubada na região foi de 13.200 quilômetros quadrados entre agosto de 2020 e julho de 2021, um aumento de 22% em relação ao período registrado entre agosto de 2019 e julho do ano passado.

Especialistas avaliam cenário do desmatamento e criticam política ambiental na Amazônia
(Foto: Daniel Beltrá/Greenpeace)

É o pior índice em 15 anos. Na avaliação do ambientalista Carlos Durigan, é um cenário difícil de se combater e as políticas ambientais são insuficientes. (ouça)

A área desmatada este ano na Amazônia Legal é a maior desde 2006, quando as medições apontaram 14.200 quilômetros desmatados.

Carlos Durigan fala que a alta na taxa de desmatamento está em desacordo com as propostas apresentadas pela comitiva do Brasil na COP26, em Glasgow, na Escócia.

O Coordenador Executivo da Fundação Vitória Amazônica (FVA), Fabiano Silva, comenta que há um enfraquecimento na gestão ambiental e na fiscalização e controle que tem contribuído para o crescimento do desmatamento na região. (ouça)

Fabiano alerta que o país precisa de políticas públicas firmes. (ouça)

Os dados do Prodes revelam ainda que o Pará foi o estado da Amazônia Legal que mais desmatou: foram 162.600 quilômetros de floresta derrubada. Em seguida aparecem Mato Grosso, Rondônia e o Amazonas.

Reportagem: Cindy Lopes