Braga: “CPI não é eleição, é instrumento de julgamento do que aconteceu”; veja entrevista na íntegra

O senador Eduardo Braga (MDB) voltou a dizer que não foi questão eleitoral a atuação dele para incluir o nome do governador Wilson Lima e do ex-secretário de saúde do estado, Marcellus Campêlo, no relatório final da CPI da Pandemia. Braga afirma que seria acusado de omissão se a CPI indiciasse o presidente da República Jair Bolsonaro e o ex-ministro Eduardo Pazuello e deixasse de fora autoridades do Amazonas.

“A CPI não é eleição, é um instrumento de julgamento do que aconteceu. A eleição é ano que vem e o povo julgue, de forma livre e soberana, o que for melhor. Eu, como senador da República, não posso ser omisso”, disse o senador em entrevista à rádio BandNews Difusora FM.

Aos jornalistas Rosiene Carvalho e Rafael Campos, Eduardo Braga ainda falou sobre as eleições para 2022. Ele diz não ser ainda pré-candidato ao governo do Estado, mas admite estar na fase de viabilizar a candidatura.

“Para ser candidato, você precisa ter viabilidade eleitoral e partidária. Estou trabalhando para ter as pré-condições”, afirmou.

O senador comentou ainda sobre como avalia o governo bolsonaro, BR-319, altos preços do combustível e do gás, além de outros assuntos. Confira abaixo a íntegra da entrevista:

Abaixo destaques das declarações do senador sobre os temas da entrevista:

Zona Franca

“A prorrogação da Zona Franca até 2073 foi um marco do meu mandato.”

BR-319

“Estou otimista que conseguiremos finalmente a licença prévia da licitação do trecho do meio.”

“Tenho muitas críticas em relação ao presidente, mas é preciso reconhecer que em relação á BR-319 ele tem tido um comportamento muito firme.”

Altos preços da gasolina

“Quem está pagando os impostos são as pessoas mais humildes. As pessoas mais ricas do País já estão usando carros híbridos, elétricos. Já não estão mais usando carro à gasolina. Portanto, é preciso ter o aspecto social do tributo. Essa questão que o Brasil está tendo que resolver rapidamente porque a inflação está galopante. “

Governo Bolsonaro

“Eu acho que o presidente, como todo governo, tem coisas boas e coisas que não são boas. Uma delas é de ele ter esse temperamento que atrita constantemente com as instituições democráticas brasileiras. Tem sido muito dúbio em algumas áreas. Foi negacionista em questões que reputo muito importante no início e durante a pandemia com relação ao uso de máscaras e distanciamento. Não foi uma liderança afirmativa com relação a essa questão. Acho que poderíamos ter acelerado um pouco mais o início da vacinação. É bem verdade que a vacinação, a nível de Brasil, retomou o atraso inicial.”

André Mendonça no STF

“Creio que entre os dias 20 e dia 30 de novembro a CCJ vai sabatinar o André Mendonça e haverá um esforço concentrado e haverá decisão do Senado a respeito da indicação de André Mendonça”.
“Eu gosto do André. Acho que tem grande formação jurídica e é uma pessoa do bem. E acho que tem grandes chances de ser aprovado”.

CPI da Covid

“Não é politiqueiro. É uma questão de justiça. Houve crime no Amazonas. Houve criminosos. E o crime praticado no Amazonas foi a falta de oxigênio, a falta do kit de intubação. No Amazonas, as pessoas foram intubadas sem sedação, amarradas em camas como se fossem animais. E teve gente responsável por isso. Quem? O secretário de saúde e o governador do Estado. A CPI não é eleição, é um instrumento de julgamento do que aconteceu. A eleição é ano que vem e o povo julgue, de forma livre e soberana, o que for melhor. Eu, como senador da República, não posso ser omisso.”

“Governador e secretário foram responsáveis pela morte de centenas de pessoas no nosso estado pela falta de oxigênio e falta de medicamentos.”

“O maior legado da CPI é a vacinação”
“Eu acho que a CPI teve mais acertos que erros.”

Eleições

“Para ser candidato, você precisa ter viabilidade eleitoral e partidária. Estou trabalhando para ter as pré-condições.”

“Não temos definição sobre candidatura ao Senado.”