Criminosos hackeam perfil de usuários do Instagram para anunciar venda falsa de eletrônicos em Manaus

Criminosos hackeam perfil de usuários do Instagram para anunciar venda falsa de eletrônicos em Manaus

As redes sociais são umas das principais fontes de entretenimento no dia-a-dia das pessoas, porém, ainda é uma ferramenta frágil no que diz respeito à segurança, o que torna os usuários alvos de criminosos.

Criminosos hackeam perfil de usuários do Instagram para anunciar venda falsa de eletrônicos em Manaus
Criminosos hackeam perfil de usuários do Instagram para anunciar venda falsa de eletrônicos em Manaus. Foto: Pexels.

A Polícia Civil do Amazonas tem registrado diversas denúncias de usuários do Instagram que tiveram as contas hackeadas.

Estelionatários clonam os perfis da rede social e simulam vendas de produtos eletrônicos ou eletrodomésticos usados a um preço baixo. Esse tem sido um dos casos mais comuns no atual período.

Após clicar em um link pra ganhar um voucher de um restaurante conhecido na cidade, a conta do personal trainer, Tiago Cardoso, foi invadida e ficou na mão dos criminosos por três dias. (ouça)

O personal entrou em contato com o Instagram e conseguiu recuperar a conta. No entanto, nem sempre o processo é tão simples… a autônoma Tathiane Salles perdeu o acesso ao perfil após fornecer o número de telefone, por direct, a um suposto médico. O que ela não sabia é que aquele usuário também havia sido clonado.

A advogada Lígia Gonçalves escapou, por pouco, de ter o perfil hackeado. (ouça)

O titular da Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Cibernéticos (Dercc), Reinaldo Figueira, explica que os estelionatários geralmente procuram pessoas que tenham uma quantidade significativa de seguidores e com bom reconhecimento entre amigos e familiares.

O especialista em tecnologia, Wanderlyn Júnior, orienta que o usuário do Instagram ative a opção de verificação em duas etapas para ter uma camada a mais de segurança. (ouça)

A Polícia Civil orienta que, quem tiver a conta invadida, precisa avisar aos parentes e amigos, evitando que outros usuários caiam em golpes. A vítima também deve registrar um Boletim de Ocorrência pelo site da Delegacia Virtual e anexar provas como prints, boletos falsos e outros documentos ou ir até a Delegacia Especializada em Repressão a Crimes Cibernéticos.

Outra orientação é que as pessoas nunca transfiram dinheiro sem antes fazer um contato pessoal para confirmar a negociação.

Reportagem: Cindy Lopes