Comitiva de prefeitos do AM se reúne em Brasília para discutir garimpo ilegal no Madeira

Comitiva de prefeitos do AM se reúne em Brasília para discutir garimpo ilegal no Madeira

Os prefeitos de cinco municípios do Amazonas se reúnem com senadores e deputados federais da bancada do estado, em Brasília (DF), para discutir a situação do garimpo de ouro no rio Madeira.

O encontro ocorreu nessa quarta-feira (1). Os gestores municipais querem impedir operações e a destruição de balsas apreendidas, que deixou vários garimpeiros desabrigados no último fim de semana. A regularização da atividade também foi discutida.

Comitiva de prefeitos do AM se reúne em Brasília para discutir garimpo ilegal no Madeira
(Foto: Reprodução)

Estiveram presentes na reunião os prefeitos de Autazes, Borba, Novo Aripuanã, Manicoré e Humaitá, cidades da bacia do rio Madeira. O prefeito de Borba, Simão Peixoto, que chegou a acomodar 300 pessoas que ficaram desabrigadas, afirma que espera sensibilizar os parlamentares e autoridades:

Durante a operação da Polícia Federal, no fim de semana, cerca de 130 balsas foram apreendidas e queimadas por ilegalidades, deixando famílias de garimpeiros desabrigadas. Antes da ação, aproximadamente 300 balsas estavam atracadas ao longo do rio Madeira para exploração de ouro não permitida.

O garimpeiro, que não será identificado, conta que conseguiu sair do local antes que a polícia chegasse. Ele também relata que a atividade é a única forma que trabalhadores que vivem na região encontram para sobreviver:

Durante a reunião dessa quarta-feira, o senador Eduardo Braga, do MDB, recomendou que as prefeituras dos municípios que pertencem à Bacia do Rio Madeira, façam um cadastro de balsas e garimpeiros, como um manual normativo para o exercício da atividade na área.

Em agosto deste ano, a Justiça Federal proibiu a concessão irregular para atividades de extração de ouro no leito do rio Madeira, em área de mais de 37 mil hectares, na região sul do Amazonas.

Reportagem: Cindy Lopes