Burnout: "jornada tripla" torna mulheres as principais vítimas da síndrome do esgotamento profissional

Burnout: “jornada tripla” torna mulheres as principais vítimas da síndrome do esgotamento profissional

Reportagem: Clara Toledo
(Foto: Reprodução/Internet)

Viver uma tripla jornada de trabalho é uma realidade comum a muitas mulheres. Casa, trabalho e filhos são o centro desse cenário para a maioria do público feminino. Em grande parte das vezes, imersas nessa rotina, as mulheres acabam não questionando a responsabilidade do companheiro ou até mesmo não têm a quem recorrer.

Após perceber mudanças bruscas no comportamento, a jornalista Flávia Rezende se viu em uma situação nova: o diagnóstico da síndrome do esgotamento, conhecido como Burnout. Segundo a jornalista, os estresses do dia a dia passaram a ter outra proporção. (Ouça)

Para mães, o problema pode ser ainda maior. Segundo Flávia, estar disposta a cumprir todas as tarefas da casa, além do trabalho se torna algo difícil. (Ouça)

A síndrome de Burnout é um conjunto de sinais de exaustão emocional em razão do estresse crônico. O médico especialista Marcelo Demarzo explica as características da doença. (Ouça)

Os números mostram o que pode estar atribuído aos diversos diagnósticos da doença. A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua, o PNAD, mais recente – referente a 2019 – concluiu que mulheres trabalham duas vezes mais em casa do que os homens.

A saúde das mulheres, por exemplo, foi a mais afetada na pandemia. Um estudo do Instituto de Psiquiatria da USP, aponta que 45% das mulheres relataram sintomas de depressão.

Já uma pesquisa do LinkedIn, plataforma de perfis profissionais, mostrou que 74% das mulheres abordadas estavam muito ou razoavelmente estressadas por motivos ligados ao trabalho.

Luiza Araújo tem 23 anos. Em menos de 3 anos ela foi diagnosticada com Burnout duas vezes. A jovem lida também com o transtorno de ansiedade e depressão. Luiza associa as principais causas do esgotamento à rotina estressante de trabalho, mas não deixa de relacionar outros fatores. (Ouça)

Flávia Rezende, que ainda tem aprendido a lidar com o Burnout, conta o que tem feito para amenizar os sintomas. (Ouça)

Nem sempre mudar de ambiente é uma opção. Como alternativa para superar o Burnout, o médico, Damarzo, explica que ter consciência dos problemas causadores de estresse pode ajudar. (Ouça)

Além disso, ao perceber qualquer sinal de mudança de comportamento, o ideal é buscar um especialista. Na rede pública, o Centro de Atenção Psicossocial, Capes, da prefeitura atende pessoas com problemas de saúde mental e auxilia o tratamento desses problemas.