‘Oxigênio acabou e hospitais de Manaus viraram câmara de asfixia’, diz pesquisador da Fiocruz

O pesquisador Jesem Oerellana, da Fiocruz-Amazônia, afirma que o oxigênio acabou e hospitais de Manaus viraram câmara de asfixia.

A afirmação foi dada para a colunista da BandNews FM e da Folha de São Paulo, Mônica Bergamo.

O pesquisador chegou a dizer que os pacientes que conseguirem sobreviver, além de tudo, deve ficar com sequelas cerebrais permanentes.

Além da falta de oxigênio nas unidades de saúde, pessoas que fazem tratamento em casa pedem ajuda para conseguir o gás, como é o caso do ouvinte Edjander.

A reportagem da BandNews FM entrou em contato com o governo e a prefeito, mas ainda não obteve resposta.

O estado também já confirmou o primeiro caso de reinfecção pelo coronavírus. A informação é da Fundação de Vigilância em Saúde. A paciente foi diagnosticada com uma nova variante amazônica descrita inicialmente no Japão.

Outro problema é o número de sepultamentos na capital do Amaoznas. Quase duzentas pessoas são enterradas em cemitérios de Manaus em um únicio dia durante a segunda onda da pandemia da Covid-19 no Amazonas.

O número de 198 sepultamentos registrado nessa quarta-feira é mais um recorde que não havia sido contabilizado desde o começo da pandemia.

Da redação
FOro: Reprodução/White Martins

compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email