Com decisão de Kassio Nunes, STF libera cultos religiosos no país, entidades religiosas e epidemiologistas reagem no AM

No Amazonas, entidades religiosas e cientistas reagem à decisão do ministro Kássio Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), que libera as celebrações religiosas de forma presencial, mesmo em um momento crítico para a pandemia do coronavírus.

O ministro determinou em caráter provisório que estados e municípios não podem editar normas de combate à pandemia que proíbam completamente os cultos e missas presenciais, ainda que com, no máximo, 25% da capacidade.

No estado, uma das maiores igrejas evangélicas, a Assembleia de Deus, aprova a medida e afirma que os cultos nos templos são “considerados essenciais”.

A Arquidiocese de Manaus informou que as missas devem seguir acontecendo, mas podem ser suspensas mediante ao número de infectados pela Covid-19. Epidemiologistas alertam que lugares fechados podem gerar aglomeração e trazer uma terceira onda da doença. Ouça:

Reportagem: Guilherme Guedes
Foto: Reprodução/STF

compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email