Avanço da cheia deixa Manaus em alerta para casos de leptospirose

Avanço da cheia deixa Manaus em alerta para casos de leptospirose

Reportagem: Gabrielle Moura

Com a subida do nível do Rio Negro, que já atinge várias áreas de Manaus, órgãos de saúde do Amazonas trazem alerta para doenças transmitidas pela água contaminada. Uma das preocupações de quem mora em áreas próximas ao rio, como Educandos, Compensa e Centro, é a leptospirose.

O risco de contaminação pela doença é ainda maior em período de cheia. (Foto: Divulgação)

Uma das maneiras de transmissão da doença é o contato direto ou indireto com água contaminada por urina de animais como ratos. A autônoma Keila Santiago mora perto da feira da Panair, no Educandos. Ela conta que todo ano com a cheia aparece animais como urubus e ratos. (Ouça)

Situação semelhante viveu a estudante Ana Alice Santos. Ela conta que já teve problemas com a agua contaminada. (Ouça)

De janeiro até março deste ano foram sete casos de leptospirose registrados no estado. No mesmo período de 2021 foram trinta e quatro registros, segundo a Fundação de Vigilância em Saúde do Amazonas (FVS-AM). O chefe do Departamento de Vigilância Epidemiológica da FVS, Alexsandro Melo, diz que a doença está associada ao acúmulo de lixo. (Ouça)

Mesmo com a redução de casos de leptospirose, o que também preocupa especialistas são os casos de diarreia aguda. Nos três primeiros meses deste ano foram quase 29 mil registros. Em todo ano passado foram 320 mil casos. Sem tratamento, a leptospirose pode causar danos renais e hepáticos e até mesmo a morte. A doença pode ser combatida com antibióticos.

Itens como garrafas pets, sacolas e até pedaços de madeira devem ser descartados de forma correta e não em igarapés ou rios para não gerar riscos de transbordo com a subida das águas.