Aruká Juma, último homem da etnia Juma, morre por complicações da Covid-19

O último homem do povo da etnia Juma, Aruká Juma, de 86 anos, morre por complicações da Covid-19, em Porto Velho, Rondônia.

O falecimento do indígena ocorreu nesta quarta-feira (17), no Hospital de Campanha de Porto Velho.

Aruká estava internado desde o dia 2 de fevereiro na capital. O sepultamento será na aldeia, em Canutama, no Amazonas.

Na metade da década de 1960, o povo Juma quase foi extinto devido aos massacres que os demais parentes sofreram nas décadas anteriores por parte de seringueiros, madeireiros e pescadores no território, que fica margeado no rio Assuã, em Canutama.

O indígena deixa três filhas, últimas pessoas da etnia Juma: Mandeí Juma, Maitá Juma e Boreha Juma.

Da redação
Foto: Gabriel Uchida/Kanindé/Amazônia Real

compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email