Após dois anos congelado, preço da mensalidade escolar deve sofrer um reajuste de até 12% no AM

Após dois anos congelado, preço da mensalidade escolar deve sofrer um reajuste de até 12% no AM

A mensalidade das escolas particulares deve ficar mais salgada no próximo ano. O valor tende a acompanhar a disparada da inflação no país e sofrer um aumento de até 12%. A estimativa é do Sindicato dos Estabelecimentos de Ensino Privado do Estado do Amazonas (Sinepe-AM), repassada a BandNews Difusora.

Após dois anos congelado, preço da mensalidade escolar deve sofrer um reajuste de até 12% no AM
(Foto: Agência Brasil)

O reajuste deve impactar principalmente o custo da mensalidade de escolas de ensino infantil, fundamental e médio. Com o fim do ano chegando, as escolas particulares já começam a anunciar os reajustes para 2022.

Para Tálita Barbosa, mãe de uma criança de 5 anos, além da qualidade do ensino o valor da mensalidade também deve ser um critério para encaixar no orçamento. (ouça)

Em agosto o sindicato e outras escolas privadas entraram com um pedido de suspensão da liminar que determinava que pais de alunos poderiam pagar apenas 80% do valor da mensalidade, enquanto durasse as medidas de restrição contra a Covid-19.

De acordo com o Sinepe, o reajuste tem amparo jurídico e o valor fica critério de cada escola. A vice-presidente da entidade, Laura Cristina Andrade, esclarece que por conta da pandemia há dois anos o valor das mensalidades está congelado. (ouça)

Durante a pandemia boa parte das escolas seguraram o preço das mensalidades temendo a evasão de alunos. (ouça)

Um levantamento feito pela consultoria Meira Fernandes, especializada em gestão de instituições de ensino, revelou que 90,9% das escolas pretendem aumentar o valor da mensalidade para 2022.

Reportagem: Ricardo Chaves