Amazonas e São Paulo lideram número de jornalistas que morreram em decorrência da Covid-19

Do início da pandemia, em 2020, até o final de janeiro deste ano, pelo menos 93 profissionais da imprensa morreram em decorrência da Covid-19.

Entre julho e agosto de 2020, as mortes na categoria se mantiveram relativamente estáveis. Nos últimos dois meses de 2020 houve um crescimento acelerado e explodiu em janeiro de 2021: 25% dos casos de mortes ocorreram neste mês.

Amazonas e São Paulo são os dois estados com maior número de casos: 14 mortes em cada. Mas chama a atenção os números do Amazonas, que tem uma população dez vezes menor que São Paulo (4,2 milhões contra 44,6 milhões ). O estado tornou-se, a partir de janeiro, símbolo da falência dos poderes públicos, em especial do governo federal, no combate à pandemia.

A análise dos dados coletados também revelou a idade das vítimas. O maior número (23) estava na faixa etária de 51 a 60 anos, e outras 22 vítimas fatais da doença tinham entre 61 e 70 anos.

As informações são da Federação nacional dos jornalistas.

Da redação com infomações da Fenaj
Foto: Reprodução

compartilhe

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email