Líder do governo Bolsonaro sobrevoa área não afetada por queimadas e diz que mídia faz “estardalhaço”

Após receber diversas matérias, fotos e de visualizar postagens de personalidades brasileiras e internacionais alegando que a Amazônia ardia em chamas, a líder do governo Bolsonaro no Congresso Nacional, Joice Hasselmann (PSL/SP), atendeu ao convite do vice-presidente do Conselho de Desenvolvimento Econômico, Sustentável e Estratégico de Manaus (Codese Manaus), Romero Reis, para fazer um sobrevoo sobre a região de Tefé, nesta sexta-feira (30).

“O Amazonas é um exemplo de conduta ambiental, desenvolvendo a região, mantendo a floresta em pé e gerando mais de 100.000 empregos diretos e renda através do modelo Zona Franca de Manaus, que permitiu a manutenção de 97% do manto florestal”, disse Romero Reis.

Durante a viagem até Tefé, Joice Hasselmann identificou “poucos focos de queimada”. Do alto, ela também viu pequenas áreas direcionadas à agricultura familiar já próximas do município, localizado a 575 quilômetros da capital.

“O estardalhaço da mídia e de políticos internacionais não condiz com o que encontrei. O Amazonas é um grande tapete verde. As pequenas áreas devastadas e queimadas não afetam o ecossistema como um todo. Ficou evidente que são casos pontuais, não correspondendo à histeria que se criou em torno do assunto”, exclamou.

Na volta à Manaus, a comitiva realizou uma coletiva de imprensa onde a deputada adiantou que pretende realizar em breve outros sobrevoos pelos estados da Amazônia Legal, como Rondônia. Ela reforçou que os órgãos de justiça e controle ambiental não serão coniventes com ações criminosas na Amazônia.

“Temos indícios de alguns focos de incêndio criminosos na região e estamos investigando isso. Quem está extrapolando o Código Florestal e fazendo queimada sem que haja respaldo legal para vai ter que se ver com a força da lei”.

Presença militar na região

Em Tefé, cidade com 42 mil habitantes, o Exército brasileiro conta com 1.100 militares e Tabatinga mais 1.000 militares, que atuam sob a coordenação da 16ª Brigada de Infantaria de Selva para combater ilícitos como tráfico de drogas, de animais, instalação de garimpos e delitos ambientais.

O vice-presidente do Codese, Romero Reis, lembrou que enquanto o Amazonas não dispõe de alternativas econômicas, não pode ficar sem os incentivos da Zona Franca, sob pena de se desestruturar. “É vital o desenvolvimento de novas matrizes econômicas, mas enquanto estes projetos de cinco, dez, quinze anos não amadurecem a ponto de dar retorno financeiro, temos de contar com o apoio do Governo Federal para garantimos os postos de trabalho já existentes, gerar novas ocupações e prospectar negócios futuros”, posicionou-se.

Reação

Em nota, o deputado federal Marcelo Ramos (PL-AM) disse que a deputada Joice Halsseman “demonstrou a total e absoluta ignorância em relação ao problema”. Ele também disse que as queimadas ocorrem com mais gravidade no sul do Amazonas em municípios como Apuí, Humaitá e Lábrea, além do Estado de Rondônia. Ainda na nota o deputado Marcelo fala que “a deputada Joice poderia ter economizado esse dinheiro e ouvido gente que conhece a região”.

Veja a nota na íntegra:

Nota à imprensa

A deputada Joice Hallsemann, líder do governo no Congresso Nacional, esteve ontem no Amazonas para sobrevoar o Estado e comprovar que não existem queimadas. Sua decisão de voar de Manaus a Tefé demonstrou a total e absoluta ignorância em relação ao problema. As queimadas ocorrem com mais gravidade no sul do Amazonas em municípios como Apuí, Humaitá e Lábrea, além do Estado de Rondônia. É por essa incapacidade de compreender a região amazônica que o governo central e seus aliados erram tanto no diagnóstico e no enfrentamento à questão ambiental na região. A deputada Joice poderia ter economizado esse dinheiro e ouvido gente que conhece a região.

Da redação
Foto: Fátima Meira/FuturaPress

compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email