MPF alerta que sítios de reprodução de quelônios estão vulneráveis a caçadores no sudoeste do Pará

O Ministério Público Federal (MPF) convocou órgãos ambientais e a empresa Norte Energia, construtora e operadora da hidrelétrica de Belo Monte, a apresentarem urgentemente o plano da ação de fiscalização deste ano para o Tabuleiro do Embaubal, área no município de Senador José Porfírio, no sudoeste do Pará, que abriga um dos maiores e mais importantes sítios de reprodução de quelônios não só da bacia amazônica, mas do mundo todo.

De acordo com vistoria feita pelo MPF, a equipe de fiscalização e os equipamentos disponíveis são insuficientes para garantir a proteção das espécies que depositam seus ovos no Tabuleiro, um conjunto de bancos de areia ou praias sazonais formadas no rio Xingu durante o verão amazônico.

Como conseqüência, a pesca ilegal e o tráfico estão cada vez mais intensos e são uma ameaça às populações naturais de quelônios.

Com o início das obras de Belo Monte e o impacto crítico que o empreendimento tem sobre as populações de quelônios, o monitoramento desses animais tornou-se objeto de contrapartidas ambientais impostas pelo Ibama à Norte Energia.

A fiscalização contra a captura ilegal das tartarugas é importante, sobretudo no período de reprodução, neste início do segundo semestre, época em que os animais alcançam valor comercial maior porque os ovos são apreciados como iguaria culinária na região amazônica.

Da redação

Foto: Divulgação/ Cristiane Costa

compartilhe

Share on facebook
Share on twitter
Share on print
Share on email